Faxina de redes sociais: descubra se você precisa fazer

Vamos começar nossa conversa sobre faxina de redes sociais com as seguintes perguntas:

  1. quanto tempo você dedica às redes sociais?
  2. como você se sente antes, durante e depois de ficar um tempo por lá?
  3. o que você poderia fazer se não estivesse online?

Uma breve história do meu vício

A primeira vez que eu entendi que tinha um problema com as redes sociais foi em 2005, quando comecei a literalmente suar frio dentro de um ônibus quando pensei na possibilidade de não entrar na internet (orkut) quando chegasse em casa.

Pois é, naquela época a gente precisava de um computador para ficar online.

Quase 20 anos depois, meu tempo continuava sendo consumido pelas horas que eu passava nas redes.

Sou profissional da navegação modo zumbi, aquela que ficamos horas rolando a tela do celular para cima, sem nem saber direito o que está fazendo.

Mas será que vício em redes sociais é algo real?

No livro Irresistível: Por que você é viciado em tecnologia e como lidar com ela, Adam Alter explica:

“Esses novos vícios não requerem a ingestão de nenhuma substância. Não introduzem nenhuma química em seu organismo, mas produzem os mesmos efeitos porque são atraentes e bem projetados.”

Vícios comportamentais são mais reais do que imaginamos, e ninguém está livre deles.

É sempre bom lembrar que:

“A tecnologia não é moralmente boa ou ruim até ser controlada pelas corporações que a produzem para o consumo de massa.” – Ok Mr Alter.

Pois é. Sigamos em frente com nossas perguntas.

1- Quanto tempo você dedica às redes durante o seu dia?

Faça uma pesquisa em seu telefone e verifique quantas horas por dia você fica no Instagram, Facebook, Twitter, etc.

Talvez você se assuste.

Você consegue ficar um dia inteiro sem verificar seus feeds? Você consegue ter uma experiência significativa sem postar sobre ela em seu perfil? 

Porque será que isso acontece?

Segundo Cal Newport em seu livro Minimalismo Digital, “O uso compulsivo não resulta de uma falha de caráter, mas da realização de um plano de negócios significativamente lucrativo.” (Quando li essa frase senti um alívio imenso)

O seu tempo de vida é a moeda de troca nessa transição: você dá seus minutos preciosos de vida e em troca você recebe:

  • doses pequenas de reforços positivos que afagam nosso ego (likes e comentários)
  • a impressão de conexão com outras pessoas (migalhas de relacionamento verdadeiro)
  • entretenimento (uma opção para você se divertir)

Enquanto essa troca aparentemente inocente acontece, seus dados estão sendo coletados para que no momento certo, a oferta certa possa aparecer para você.

Sim. Uma indústria bilionária briga pelo seu tempo e pela sua atenção.

“Essas empresas lucram conforme o tempo dedicado a seus produtos. Elas querem que você conceba as ofertas como uma espécie de ecossistema divertido em que coisas interessantes acontecem.” Carl Newport.

Vale saber que segundo uma matéria do Portal Terra, em 2020 o Facebook “se beneficiou da alta de 21% na receita com anúncios publicitários. O lucro da companhia no ano foi de US$ 29,1 bilhões, alta de 58%.”

A impressão que tenho é que nesse jogo somos o combustível que é queimado para manter esse motor funcionando.

Quanto tempo estamos perdendo nas redes sociais sem receber nada de significativo em troca? – fica aqui minha pergunta (para você e para mim).

2 – Como você se sente antes, durante e depois de ficar um tempo por lá?

Esse é um exercício interessante para a gente fazer. 

Antes

Talvez você esteja cansado, ansioso, entediado, curioso. Muitos são os motivos para corrermos para nosso celular e clicar naquele aplicativo tão desejado.

Eu notei que muitas vezes eu abria o Instagram simplesmente porque queria pegar o celular e clicar em alguma coisa.

Nas filas, nos sinais vermelhos, nas salas de espera. Toda hora é hora e todo lugar é lugar.

Durante

Os sentimentos relacionados ao uso das redes sociais é bastante variado.

  • Às vezes alegria – coisa linda esse gatinho!
  • Às vezes tristeza – poxa, eles foram naquela festa e nem me convidaram! (espero que pré-pandemia)
  • Às vezes inveja – essa criança de 5 anos conhece mais países do que eu! (confesso que já me senti assim)
  • Às vezes surpresa – esse sapato que eu acho maravilhoso está em promoção! (espero que depois desse post você não se surpreenda mais com essas propagandas inocentes que aparecem por acaso)
  • Às vezes deslumbramento – nossa, essa influencer emagreceu 10 kilos em um mês tomando esse chá e usando essa pomada na barriga…que maravilha!

E por aí vai.

Depois

O depois é complicado. No meu caso, sentia um grande vazio

Um vazio gritava em meus ouvidos que qualquer coisa seria melhor do que ter gastado meu tempo vendo comentários avulsos, caçando os últimos babados e acompanhando a vida alheia.

Muitas pessoas sentem uma tristeza imensa. Outras sentem a necessidade de comprar chás e pomadas. Outras sentem que suas vidas não são nada interessantes.

O depois quase nunca traz uma sensação de dever cumprido ou de pura alegria.

3 – O que você poderia fazer se não estivesse nas redes sociais?

Essa é a melhor pergunta de todas.

Será que existe alguma coisa FORA das redes sociais?

E é aqui que entra nossa Faxina Digital.

Vamos faxinar?

Se o uso das redes sociais te incomoda de alguma forma, seja como você se sente enquanto está online ou pelo fato de simplesmente não conseguir viver sem elas, a faxina ou detox digital é uma boa ideia.

Carl Newport propõe um período de 30 dias utilizando somente tecnologias essenciais.

Faz parte desse exercício pensar sobre toda a sua vivência em relação à internet e verificar o que é realmente importante. 

Na minha faxina eu excluí o Instagram e o Facebook, que eram as redes que mais me incomodavam e sugavam meu tempo (e energias vitais).

E o que vou fazer com todo esse tempo que vou ganhar? (Acredite, você vai ver horas sobrando no seu dia)

É muito importante “passar esse período tentando redescobrir o que é importante para você e do que gosta fora desse mundo digital sempre disponível e radiante.”

Posso adiantar que talvez não seja nada fácil. Mas com planejamento e deixando as regras da sua faxina claras, rapidamente você verá os benefícios desse time off.

Acredite, você vai encontrar novas formas de passar seu tempo livre, e será como uma nova vida.

Para dividir com você minha experiência, depois de 2 semanas sem as redes eu consegui:

  • ver um filme inteiro sem ficar grudada no celular
  • estudar com foco e ler bastante
  • cozinhar receitas novas
  • terminar de escrever um projeto que estava parado há 5 anos
  • curtir o silêncio (SIM, precisamos dele)

Precisamos falar um pouco sobre a importância do silêncio em nossas vidas, e como o uso sem parar das redes nos rouba essa dádiva.

Depois de algum tempo absorvendo o conteúdo do Instagram sem nenhuma limitação, eu me sentia sufocada com tanta gente falando ao mesmo tempo. 

Segundo Carl Newport, “Privação de Solidão é um estado em que você praticamente não tem tempo para ficar sozinho com seus pensamentos, isento de opiniões alheias. (…) Por um lado, quando você evita a solidão, perde suas consequências positivas: a capacidade de esclarecer problemas difíceis, controlar suas emoções, fortalecer a coragem moral e os relacionamentos. Se você sofre de privação crônica de solidão, sua qualidade de vida declina.

Era exatamente assim que estava me sentindo. (Thanks Carl)

Depois de mais de um mês de minha faxina eu me sinto com a cabeça livre e tranquila, e mais próxima da minha própria voz. Consigo até ouvi-la.

O objetivo dessa história toda

Um dos principais objetivos da sua faxina digital será dar clareza para você perceber o que é realmente importante.

Você vai começar a se perguntar coisas como:

  • É importante dar um like e assistir a todos os stories do meu amigo? Ou seria melhor para nossa amizade eu ligar para ele ou até enviar uma mensagem pelo WhatsApp?
  • Preciso realmente seguir essa pessoa? Todas as vezes que vejo o perfil dela me sinto mal.
  • Será que eu preciso mesmo comprar essa camiseta ou estou com vontade de tê-la porque passei o dia inteiro vendo as/os influencers falando sobre como ela é incrível?
  • Será que eu realmente preciso ter uma conta e ser ativo em TODAS as redes sociais?

Com certeza depois de você passar alguns dias longe do turbilhão de informações, fotos, opiniões, viagens, receitas, e muitas vendas, você vai se sentir mais leve, focado, e pronto para decidir onde é o melhor lugar para investir o seu tempo.

E aí? Pronto para começar sua faxina?

OBS:

Indico muito o livro Minimalismo Digital do Carl Newport: você aprenderá mais detalhes sobre a faxina digital e sobre o conceito de Minimalismo Digital. O livro não fala apenas sobre redes sociais mas sobre nosso relacionamento com todos os tipos de tecnologias.

Irresistível: Por que você é viciado em tecnologia e como lidar com ela, do Adam Alter: você aprenderá sobre os vícios comportamentais relacionados à tecnologia, e também sobre os danos que esses vícios causam nas pessoas.

Publicado por JulianaRuiz

Olá, meu nome é Juliana e amo escrever. Ficarei feliz com sua visita em meu blog! Abraço, Juliana

2 comentários em “Faxina de redes sociais: descubra se você precisa fazer

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: